Apelo

Converse, converse
Converse, converse
Converse, converse
Converse, converse
Converse, converse
Converse, converse

Converta-se em humano novamente

Lembrança

queria gritar
gritar tanto e tão alto
até você voltar

nunca vou entender essa falta
nunca vou me acostumar com esse vazio
essa ausência
essa presença que não passa de memória

lembrar que você se foi
é como me concentrar em coisas impossíveis
um barco à deriva
delírios que balançam


rio branco, 3 de fevereiro de 2021

Pela Metade

Meus Deus! Não podia existir maior expressão da alma que a poesia, claro que não, porque todo esse encantamento, esse embevecimento — e sei lá que nome mais eu poderia arranjar — vinha lá do fundo, tão de dentro que chegava a doer. Doía, sim. E quanto mais eu sentia essa dor, mais tinha vontade de que ela doesse de novo, mais tinha vontade de escrever.

Tânia Alexandre Martinelli, “Pela Metade”

Presente do céu

Hoje alguém vai ganhar na mega-sena
Mais de cem milhões
Hoje eu ganhei a lua
Um presente em meu nome
Pergunto-lhes:
– Quem de nós ganhou o dia?

rio branco, 29 de maio de 2021

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑